Um ano sem Chris Cornell: vamos relembrar sua obra!

Um ano sem Chris Cornell: vamos relembrar sua obra!

5
563
0
sexta-feira, 18 maio 2018
Culturall

Por Jorge Felipe Coelho – Há exatamente 1 ano (18/05/2017), o cantor e compositor Christopher John Boyle era encontrado morto em um quarto de hotel em Detroit. Conhecido mundialmente como Chris Cornell, o músico se foi aos 52 anos de idade, vítima de suicídio por enforcamento. Vicky Karayiannis, viúva de Cornell, recentemente esteve no programa Morning America e falou sobre o suicídio do marido. Culpando o ansiolítico benzodiazepina receitado pelo médico para que o músico dormisse, mesmo que ainda estivesse em fase de recuperação do vício em remédios controlados, Vicky afirmou que Cornell não tinha perfil suicida e jamais teria deixado seus filhos e família se não fosse pela overdose de remédios, que o deixou sem condições de tomar qualquer decisão. A viúva fez questão de frisar: “As pessoas acham que o vício é uma escolha e não uma doença.”.

O cantor com a esposa e filhos

Em atividade desde 1984, Cornell explodiu dentro do movimento grunge de Seattle, deixando um legado imenso na música ao passar pelas bandas Temple Of The Dog, Soundgarden e Audioslave, além de sua extensa carreira solo. Dono de uma das vozes mais marcantes e com maior alcance do rock, o cantor foi escolhido como “O Maior Cantor de Rock” pelos leitores da revista Guitar World em 2013, ficou em 4º lugar na lista “Top 100 de Vocalistas de Heavy Metal de Todos os Tempos” da revista Hit Parader em 2006 e 9º lugar na lista de “Melhores Vocalistas de Todos os Tempos” da revista Rolling Stone em 2011. Também foi vencedor de dois prêmios Grammy com “You Know My Name”, música tema do filme 007 – Cassino Royale.

Em homenagem a Chris Cornell e suas contribuições para a cena musical da cidade, a torre de observação de Seattle (conhecida como Space Needle) foi apagada das 21h até as 22 horas da noite no dia de sua morte. Para hoje, dia em que se completa 1 ano de sua morte, a viúva Vicky anúnciou uma vigília em memória de seu marido no Hollywood Center Cemetery, onde estão suas cinzas. Em seu instagram oficial ela escreveu: “Queremos abrir isso a vocês, nossa família estendida, e convidá-los para se unirem a nós neste dia de orações e lembranças, para prestar nosso respeito juntos”.

A equipe da Rádio Cult FM se junta à Vicky e aos fãs nesse dia de lembranças de um dos músicos mais brilhantes de nossa geração. Escolhendo e comentando nossas canções prediletas, vamos relembrar o que ele deixou de melhor, sua magnífica obra musical. Eis a nossa homenagem ao incomparável Chris Cornell:

Luck Veloso

  • Hunger Strike (Temple of the Dog): gosto muito daquela intro dedilhada e completada pela voz marcante do Cornell;
  • Black Hole Sun (Soundgarden): essa música me emociona pelo tom sombrio e melancólico;
  • Nearly Forgot My Broken Heart (carreira solo): uma das que mais aprecio em sua fase solo.

André Luiz Costa

  • You Know My Name (carreira solo): conheci a carreira solo do Cornell com o filme do 007;
  • Pretty Noose (Soundgarden): conheci ouvindo rádio e me fez procurar e conhecer mais sobre a banda;
  • Like a Stone (Audioslave): porque é minha favorita do Audioslave.

Rogério Bezerra

  • You Know My Name (carreira solo): um clássico do filme do 007;
  • Nearly Forgot My Broken Heart (carreira solo): estava passando por uma fase não muito boa e ouvia muito essa música por causa da letra;
  • Wave Goodbye (carreira solo): um blues completamente viciante de sua carreira solo.

Jorge Felipe Coelho

  • Like a Stone (Audioslave): de longe, a música do Chris que mais me arrepia em letra, melodia, harmonia e solo;
  • Your Time Has Come (Audioslave): um riff nervoso e rápido que serve como um estimulante matinal;
  • Pushin’ Forward Back (Temple of the Dog): uma jóia pouco lembrada, tem um groove ótimo como ponto alto.

Cleber Júnior

  • Hunger Strike (Temple of the Dog): aqui a interpretação do Cornell faz doer o coração do ouvinte;
  • Black Hole Sun (Soundgarden): é um clássico bem conhecido, porém uma canção incrível com uma letra que deve retratar sua dor ao longo da vida;
  • Like a Stone (Audioslave): essa está sempre presente nas minhas playlists suaves.

Hits: 183

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *