publicidade:

Radiocultfm

Diversidade Cult

Paraisópolis expôe a necessidade de maior integração social

A tragédia ocorrida em uma operação policial no baile funk em Paraisópolis, vitimou 9 pessoas durante um baile que reunia cinco mil pessoas no bairro

Luck Veloso -A tragédia durante um baile funk popular em Paraisópolis, conhecida comunidade situada em São Paulo, tem muito mais a nos dizer do que somente a possível ação desastrada que culminou com 9 mortes no fim de semana de 1 de dezembro. A música vem passando por transformações avassaladoras e aqui, não estamos falando sobre gosto musical ou predileção.

DJ Marlboro – divulgação

O Funk Nacional vem se transformando de maneira rápida e crescente e desde 1994, quando ouvimos as primeiras batidas do Rap da Felicidade, em que Cidinho e Doca pregavam: “Eu só quero é ser feliz, andar tranquilamente na favela onde eu nasci!”, houve um aumento na produção de conteúdo para o segmento de forma colossal, com o DJ Marlboro puxando a produção de vários artistas no estilo e a fórmula ganhando todo o Brasil. O DJ retomou recentemente uma intensa agenda de apresentações, por conta das comemorações dos 30 anos de lançamento do Funk Brasil, coletânea produzida pelo DJ que virou uma espécie de pedra filosofal do funk no país.

Kondzilla – divulgação

A partir de então, milhares de produtores independentes iniciaram o trabalho de formiga, plantando uma música aqui, um hit ali, até o nascimento de grandes produtoras, como a Kondzilla, que é responsável pela grande maioria dos maiores hits do funk na atualidade.

O acompanhamento do fenômeno funk se fazia então, muito necessário e o que vimos ao longo do tempo é que o tema vem sendo negligenciado. Provavelmente, por um possível descaso e desconsideração com o ritmo, onde mesmo que grande parte da sociedade julgue como algo ´inferior´, prova que consegue sim, movimentar grandes massas e gerar enorme audiência, ainda que basicamente na internet e através de bailes abertos.

O acompanhamento do poder público sobre todas as movimentações culturais que fazem parte da nossa sociedade precisa ser feito sempre de mãos dadas por quem tem o maior conhecimento de causa, nesse caso, a população local e quem produz os eventos. Se falarmos de modo mais aberto, é preciso sim alguém “botar a cara”, “vestir a camisa” e mergulhar dentro das comunidades de forma a trazer uma maior sintonia entre todas as camadas da sociedade, promovendo uma maior equalização e num pensamento até um pouco utópico, a tão falada e sonhada paz. Não é uma tarefa fácil, com certeza, porém é preciso um primeiro passo.

Em relatório divulgado nos sites especializados, encontramos As 10 músicas mais tocadas do Funk em 2019. A lista é baseada no número de execuções do Youtube, no período que abrange o mês de Outubro de 2019, observe os números:

Tati Zaqui - divulgação
Tati Zaqui – divulgação
  • 1 Dadá Boladão, Tati Zaqui – Ft. OikSurtada 47,898,159 de views
  • 2 Ludmilla e Léo Santana – Invocada – 31,471,578 de views
  • 3 MC JottaPê, MC M10, DJ – Sentou e Gostou – 19,799,593
  • 4 MC G15, MC Livinho – Ela Vem – 18,071,369 de views
  • 5 MC Fioti – Bum Bum Tam Tam – 17,077,333 de views
  • 6 Dynho Alves – Malemolência. – 16,842,256 de views
  • 7 Lexa – Feat. Pedro Sampaio – Chama Ela – 14,624,337 de views
  • 8 MC Leozin – Maldita De Ex. – 13,974,322 de views
  • 9 MC JottaPê – Te Amo Sem Compromisso. – 13,307,151 de views
  • 10 Ludmilla – Favela Chegou Feat. Anitta. – 11,534,717 de views

Se você observou a lista, note que estamos falando de MILHÕES de visualizações, feitas minuto a minuto, onde uma massa silenciosa, usando seus smartphones, tablets e notebooks, em casa, a caminho do trabalho, indo e vindo da escola, consome e absorve as produções, que antes iniciaram de forma caseira, mas que agora, movimentam um enorme mercado, que precisa ser (mais) considerado por quem detém de fato as leis no país.

Vamos estudar juntos uma forma disso acontecer. Contribua com a sua parte, se você leu esse texto, comente, compartilhe o link e espalhe para o maior número de amigos que você lembrar. Só com a sociedade debatendo abertamente os temas que nos afligem, conseguiremos ter novamente, um maior alcance da nossa voz e não somente, lamentar após a bomba estourar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo