publicidade:

Radiocultfm

Diversidade Cult

Cigarrettes After Sex lança “Cry”, segundo e intenso álbum da carreira

Banda americana lança segundo disco, seguindo a linha low profile, com composições profundas e intensas

Cigarrettes After Sex – Cry – Divulgação

Por Luck Veloso – A banda americana Cigarrettes After Sex, lançou seu novo trabalho, batizado “Cry”. O grupo, que surgiu em El Paso em 2008, teve o seu debut em 2012, com o EP contendo a música “Nothing´s Gonna Hurt You Baby”.

O primeiro disco dos caras, batizado com o nome da banda, saiu em 2017 e mesmo com uma carreira relativamente recente, o grupo já sofreu algumas mudanças na formação.

Hoje  a banda é formada por Greg Gonzales, que é o fundador e vocalista, além de tocar guitarra e baixo. Junto a ele atualmente tocam Randall Miller no baixo, Jacob Tomsky na bateria e Josh Marcus nos teclados.

A sonoridade do CAS é densa, voltada para o lado romântico e um tanto reflexivo da vida. Não recomendo para quem tem depressão ou se impressiona muito com sons intensos, de verdade. Amei o disco e confesso, não conhecia a banda. Mas meu caso é à parte, pois adoro músicas dramáticas e tons meio sombrios, ao mesmo tempo em que ouço house music, portanto, não sou referência.

Cigarrettes After Sex – divulgação

O disco “Cry” contém nove faixas, abrindo com o blues “Don´t let me go”, que tem uma cama de teclado no início que lembra demais o The National e emseguida, entra com “Kiss It Off Me”, não menos intensa e pesada. “Heavenly” é tão bonita e de melodia emotiva que na intro, já dá um arrepio.  Em “You´re The Only Good Thing in My Life”, existe quase um lampejo de felicidade na intro, mas quando entra a bateria, a gente confirma que o disco é sim, para sofrer de amor.

O álbum segue com “Touch”, que sobe um pouco o ritmo, porém mantendo a dor de cotovelo a todo vapor. Já em “Hentai”, os caras fazem quase um mosaico da tristeza, com nuances viajantes que vão desenhando uma imagem na mente da gente, quase uma obrigação à meditação. “Cry”, que dá nome ao disco, merece um vinho e luzes apagadas. Não segure as lágrimas! Música é feita (também) para isso.

Pra finalizar, duas faixas, “Falling in Love” e “Pure”, que nos dão a certeza de que a banda foi feita para nos fazer refletir, emocionar, recordar e até festejar, no caso de quem curte um som intenso mas não chega a estar triste. Ouça no máximo, espalhe a intensidade que o disco carrega mas escolha um dia em que você tem certeza que continuará tudo bem. Boa sorte!

Confira abaixo, as nove faixas de “Cry”, novo disco do Cigarrettes After Sex:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo