Viçosa Metal Fest mostra a força do underground mineiro

Viçosa Metal Fest mostra a força do underground mineiro

1
670
1
segunda-feira, 09 outubro 2017
Culturall

Texto e fotos por Rogério Bezerra – Após uma pausa de 2 anos, o evento Viçosa Metal Fest retornou com tudo e com o mesmo formato dos anos anteriores: underground ao extremo! A edição de 2017 foi pensada nos mínimos detalhes, incluindo o local afastado do grande centro, em transporte para levar o público e ingressos com preços honestos, além da ajuda de todos os colaboradores, inclusive os de última hora, mostrando que a união underground mineira é maior que qualquer problema ou imprevisto, sendo fundamental para a realização do evento; juntando tudo isso ao o line up extremamente acertado que agradou a todos.

O espaço escolhido – Sitio do Élcio – possui uma ótima estrutura para o porte do evento, com ampla área aberta onde se encontrava o palco, e pasmem, debaixo de uma mangueira (mais underground que isso, impossível) onde o público não se espremia, apesar do grande número de pagantes. Público este unido em prol de um só objetivo: ouvir e curtir boa música.

Abrindo os shows, a banda Degrador da cidade Paula Cândido surpreendeu a galera. No formato power trio, a banda de thrash metal da zona rural da cidadezinha apresentou um show extremamente técnico e empolgante, dando destaque ao guitarrista Rone Damazya, que mostrou virtuosismo e técnica brutal em solos absurdos e sequências de riffs destruidores. A banda trazia no seu reportório sons autorais do seu mais recente EP “Dead in Life” e covers de todas as fases do Sepultura que foi grande influência para o som dos caras.

Dando sequência, subiu ao palco a banda Stone Ass, de Viçosa, com o puro stoner rock para acalmar um pouco os ânimos após a pedrada da Degrador. Trazendo no repertório sons de nomes do estilo como “Clutch“, “Them Crooked Vultures” e “Queens of the Stone Age“, o Stone Ass fez um show morno, porém bastante técnico com músicos competentes e entrosados. Infelizmente o stoner é um estilo infiel que não agrada a todos, mas tem sempre público cativo, e estes compareceram ao evento e prestigiaram a banda com empolgação.

Agora seguia para o palco uma das atrações mais esperadas da noite: os veteranos do Hicsos, banda de thrash metal carioca considerada uma lenda no seu estilo. Os caras entraram com a “Imperial March” de John Willians, tema de Darth Vader da franquia épica espacialStar Wars” como introdução, já mostrando que o show seria destruidor. Após a intro, deram início as trabalhos com “Can’t Hang Terror” emendando com “Black Rain” e “Mirror Eyes”. Já com público nas mãos, nessa sequência matadora, o grupo saúda Viçosa e o vocalista e baixista Marco Anvito agradece a receptividade, falando um pouco dos 27 anos de banda e sobre o lançamento do DVD em comemoração. Nesse clima de confraternização, o Hicsos continua destilando sons matadores como “Suicide Illusion”, “Horrospital” e “Money Becomes God”, e finalizando um show histórico para Viçosa com a única música da banda cantada em português, “Pátria Amada”, terminando num clima de protesto e vários “fora Temer” vindos da banda e do público. Por fim, uma aula de thrash metal.

Depois da destruição do Hicsos, seguia o baile com outra atração aguardadíssima por essas bandas, os também cariocas da Hatefulmurder, que após uma sequência de shows por várias cidades do Brasil, deu às graças a nossa querida Viçosa. Apresentando trabalhos do seu novo álbum, “Red Eyes“, com a vocalista Angélica Burns, a Hatefulmurder metralhou o público ainda destruído da última apresentação com sequências absurdas, como “Riot”, “My Battle”, cujo o video clipe já conta com milhares de acessos, e a faixa título. A banda como sempre mostrando total entrosamento, dando destaque a bela vocalista e sua primorosa técnica de gutural e ao baterista Thomás Martin surrando seu kit com beats acelerados. Fechando o baile com “Fear my Wrath” e “Creature of Sorrow”, a banda vem provando ser uma das maiores influências na cena carioca. Que volte mais vezes!

E fechando a noite, a Drácon, da cidade de Muriaé, sobe ao palco trazendo um heavy metal tradicional com sons autorais e covers de Angra, Metallica e Iron Maiden, e com uma baita responsabilidade em ser a última a se apresentar para um público já exausto após seguidas pedradas. Os caras mostraram intensa empolgação entre os músicos e total interação com o público, fechando assim uma noite histórica para Viçosa.

Além das bandas, o evento contou com duas tendas de tattoos, área gastronômica e bebida extremamente gelada!

 

One Comment

  1. Luck Veloso says:

    Consegui imaginar o evento só em ler e curtir as fotos. Os produtores brasileiros estão cada vez mais antenados e profissionais e isso reflete em qualidade, parabéns a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *